Na manhã desta quinta-feira, 30, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE) participou da primeira reunião do ano com a delegada-geral da Polícia Civil, Katarina Feitoza. Na oportunidade, foram apresentadas as principais demandas da categoria para 2020 e alinhadas as possibilidades de atendimento das solicitações feitas pelo sindicato.

As demandas necessárias e urgentes que afligem os profissionais da área já haviam sido apresentadas no último dia 21 ao deputado estadual Luciano Bispo, presidente da Assembleia Legislativa, por integrantes da Frente Unificada dos Operadores de Segurança Pública, da qual o Sinpol/SE faz parte. Na ocasião, cada sindicato ou associação apresentou propostas de interesse das respectivas categorias. Desta vez, o Sinpol/SE reforçou as solicitações junto aos gestores da Polícia Civil.

“A Segurança Pública como um todo precisa passar por melhorias urgentes neste ano. Não há motivo para que o governador Belivaldo Chagas recue dessas demandas que já foram tratadas com ele ano passado. Os policiais civis precisam sentir que a Polícia Civil está melhorando, crescendo, e que o Governo está valorizando esses profissionais que arriscam suas vidas diariamente quando saem de suas casas para trabalhar. Até o momento não foi sentida nenhuma melhora, prova disso é a quantidade de reclamações e críticas que nosso sindicato tem recebido diariamente no tocante à falta de atenção do Governo com a nossa categoria”, destacou Adriano Bandeira, presidente do Sinpol/SE, acompanhado do diretor Jurídico Ênio Nascimento; e de Jean Carlos Rezende, diretor de Políticas Sindicais e Associativas do sindicato.

Os projetos foram bem aceitos pela delegada-geral, que ouviu as demandas da entidade sindical para a categoria e afirmou que este é um ano de união no estado. “É preciso buscar benefício para a instituição como um todo e isso passa pelo reconhecimento das categorias”, destacou a delegada-geral, Katarina Feitoza.

Nos próximos dias o Sinpol/SE realizará Assembleia Geral Ordinária e abordará diversos temas de interesse dos filiados. “Nossa luta pela valorização e respeito ao trabalho desempenhado por agentes, agentes auxiliares e escrivães é permanente e diária. Não há Segurança Pública de qualidade quando não se valoriza os profissionais. Temos acompanhado as incertezas e desconfianças dos policiais civis com o Governo, mas preferimos acreditar que muitos problemas serão resolvidos agora em 2020. É um ano de muita luta e a categoria permanece unida para enfrentar os desafios que se aproximam”, finalizou Adriano Bandeira.